Durante as últimas semanas, tenho visto muitos vídeos de animais engraçados. O meu subgénero preferido são os vídeos de animais a comer. É difícil ficar impressionado com a feiura do mundo enquanto vejo um porco-espinho a guinchar e a comer abóboras. Ao mesmo tempo, é difícil desligar a parte do meu cérebro que observa os hábitos alimentares da vida selvagem com curiosidade científica.Afinal, os animais consomem os alimentos através de uma gama impressionante de biomecanismos: os cães e os gatos, por exemplo, utilizam a física, tirando partido da tensão superficial da água ao puxar colunas de líquido com a língua. A fina probóscide de uma borboleta, por outro lado, explora a ação capilar para puxar o néctar sem necessidade de músculos.Entre todas estas incríveis ferramentas alimentares, no entanto, nada pode igualar o poder do polegar.

Os polegares totalmente oponíveis foram um marco na história da evolução humana. Os polegares permitem-nos manipular ferramentas com precisão cirúrgica, garantindo o acesso a uma gama quase ilimitada de recursos alimentares. Mas os polegares não são exclusivos dos seres humanos. Outros animais desenvolveram estruturas semelhantes, por vezes de formas fascinantes.

Os pandas têm um osso do pulso alongado que lhes permite agarrar o bambu delicado.

Veja o panda-gigante, por exemplo. Observe um panda a comer e notará o apêndice semelhante a um polegar que o ajuda a agarrar os caules de bambu. O polegar do panda não é realmente um polegar; é um osso alongado do pulso que se opõe aos cinco dedos verdadeiros da mão do panda, permitindo-lhe agarrar e manipular os delicados caules de bambu que constituem a maior parte da sua dieta. Para um organismo enorme como o pandaSem a capacidade de agarrar, os pandas precisariam de mais esforço para consumir menos bambu, comprometendo a sua capacidade de satisfazer as suas necessidades energéticas. O panda-vermelho, cujo nome é enganador (está mais próximo das doninhas, guaxinins, doninhas e texugos do que dos ursos), temDe facto, esta caraterística bizarra, juntamente com uma dieta semelhante à base de bambu, contribuiu para a suposição de que as duas espécies eram aparentadas. Mas a caraterística evoluiu separadamente nos dois pandas, e por razões completamente diferentes.

No Cerro de los Batallones, um sítio paleontológico em Madrid, os investigadores descobriram os restos fósseis de um parente do Panda Vermelho chamado Simocyon batalleri que tinha a mesma adaptação. O senão: Simocyon batalleri A descoberta sugere que os polegares falsos dos pandas-vermelhos evoluíram para os ajudar a agarrar ramos estreitos enquanto trepavam às árvores, sem qualquer relação com a ingestão de bambu. Várias outras espécies arbóreas, incluindo gambás e coalas, desenvolveram polegares opostos ou semi-opostos, embora todos eles tenham um dígito modificado mais semelhante ao polegar humano do que o peculiar pulsoossos dos pandas.

Os falsos polegares dos pandas são um exemplo notável de evolução convergente: a mesma caraterística evoluindo separadamente em grupos de animais não relacionados, em resposta a necessidades semelhantes. Num exemplo famoso, os morcegos e os mamíferos marinhos, confrontados com o desafio de navegar no escuro, desenvolveram independentemente a capacidade de ecolocalização. Os estranhos mas funcionais pseudo-polegares dos pandas evoluíram para resolverproblemas diferentes - um para trepar, o outro para comer - mas em ambos os casos convergiram para um análogo do polegar opositor através da modificação da mesma estrutura física.

Rolar para o topo