O governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló, foi forçado a anunciar a sua demissão em julho de 2019, depois de as suas mensagens privadas, contendo piadas insensíveis sobre as mortes causadas pelo furacão Maria, terem sido divulgadas ao público. Estes acontecimentos fazem eco de um incidente da década de 1930, explorado pela historiadora médica Susan E. Lederer.exploração e desprezo da elite pelos porto-riquenhos comuns.

Lederer escreve que a crise do início do século XX foi desencadeada por uma carta escrita por Cornelius Packard Rhoads, um patologista do Instituto Rockefeller que trabalhava na ilha. Os porto-riquenhos escreveram em novembro de 1931:

A ilha não precisa de obras de saúde pública, mas sim de um maremoto ou algo do género para exterminar totalmente a população. Eu fiz o meu melhor para promover o processo de extermínio, matando 8.

Pedro Albizu Campos, líder do Partido Nacionalista Porto-Riquenho, divulgou a carta. Rhoads rapidamente insistiu que não se tratava de uma prova de um plano genocida, mas sim de uma paródia "sobre supostas atitudes de algumas mentes americanas em Porto Rico".

Para o Partido Nacionalista Porto-Riquenho e os seus apoiantes, escreve Lederer, as palavras de Rhoads soaram como uma descrição direta do mesmo tipo de campanha genocida que os Estados Unidos tinham levado a cabo contra os índios americanos. Preocupou o público o suficiente para que o governador porto-riquenho, o diretor do Hospital Presbiteriano, onde Rhoads tinha o seu laboratório, e o Instituto Rockefeller lançassemO técnico de laboratório que divulgou a carta ao Partido Nacionalista, no entanto, descreveu o facto de Rhoads não ter seguido os procedimentos normais para a recolha de sangue, dizendo que utilizou a mesma agulha em vários doentes sem a desinfetar.

Em fevereiro de 1932, Tempo A revista publicou uma descrição simpática das acções de Rhoads que o descrevia a escrever a carta "paródica" depois de descobrir que alguém tinha roubado uma almofada de assento e outros artigos do seu carro: "Depois de seis meses a tratar Puertoriquenos balofos... depois de mais uma vez naquela noite ter dado o seu sangue (seis quartos no total) a nativos anémicos, o Dr. Rhoads perdeu a cabeça." O escritor retratou Rhoads como um jovem,médico divertido e abnegado, em contraste com os "nativos" ingratos que poderiam facilmente ser enganados pela interpretação literal da carta pelo Partido Nacionalista.

Em última análise, o escândalo não prejudicou verdadeiramente a carreira de Rhoads. Depois de ter deixado o Instituto Rockefeller por pouco tempo após a fuga de informação, regressou em dezembro de 1931. Em 1939, tornou-se diretor do Memorial Hospital em Nova Iorque, o principal hospital de cancro do país. Uma década mais tarde, ajudou a fundar o Instituto Sloan-Kettering.

O governador Rosselló pode ou não ter mais dificuldade em reabilitar a sua carreira, mas o paralelismo entre os dois casos sugere como continua a ser comum as elites gozarem em privado com o povo de Porto Rico.

Rolar para o topo