A invasão da Baía dos Porcos, que teve início a 17 de abril de 1961, contou com uma força de exilados cubanos anticomunistas patrocinada pelos Estados Unidos, que desembarcaram no seu país natal para serem derrotados pelas forças leais ao Presidente Fidel Castro. A invasão falhada teve lugar apenas três meses após o início da administração de John F. Kennedy e, escreve o historiador Joshua H. Sandman, "revelou ao Presidente que não podiaconfiar plenamente nos peritos".

De acordo com Sandman, após a invasão, Kennedy sentiu que precisava de uma nova forma de conduzir uma política externa sensível. Era o auge da Guerra Fria e JFK sentiu que já não podia confiar na CIA, bem como em grande parte do establishment de política externa que herdou, incluindo o Conselho de Segurança Nacional.

O antecessor de Kennedy, Dwight Eisenhower, tinha autorizado a criação de um exército de guerrilha cubano em março de 1960. Eisenhower previu uma aterragem silenciosa de um grupo de guerrilheiros com a intenção de derrubar secretamente o regime de Castro. Quando a CIA desenvolveu o seu plano e o apresentou ao presidente recém-eleito, este já se tinha transformado num esquema de invasão completo.para avançar com o plano, uma reunião em 22 de janeiro de 1961 vendeu a invasão a Kennedy e aos seus principais conselheiros.

Rebecca R. Friedman, académica de Relações Externas, escreve que o novo presidente, que tinha feito campanha com base numa plataforma de "ser duro com Castro", deu o passo em frente. Friedman observa que muito se perdeu na transição de poder entre Eisenhower e o novo presidente. Os erros da Baía dos Porcos foram legião. O exército exilado esperava uma cobertura aérea dos EUA que nunca chegou. As comunicações entre Kennedy e os comandantes emA força militar e política de Castro foi subestimada, pois não havia na ilha uma força de cubanos pronta para enfrentar o ditador comunista. Os aliados, tanto latino-americanos como europeus, não foram consultados. O embaixador da ONU, Adlai Stevenson, apresentou uma mentira à Assembleia Geral sobre os antecedentes de um ataque preliminar à Força Aérea Cubana.A necessidade de manter o secretismo da operação impediu uma discussão séria sobre os seus riscos e o seu objetivo final. A invasão não tinha qualquer base no direito internacional, tornando os Estados Unidos um caso isolado num sistema de obrigações legais que tinham promovido desde o final da Segunda Guerra Mundial.

Na sequência do desastre, Kennedy reformulou o processo de tomada de decisões da administração, instituindo uma atmosfera mais colegial, em que os prós e os contras podiam ser discutidos abertamente, dando ênfase à consulta dos aliados e à preocupação com o impacto do direito internacional nas grandes decisões de política externa.A CIA e o Conselho de Segurança Nacional seriam consultados, mas deixariam de ter total influência na nova administração.

Resumo semanal

    Receba as melhores histórias do JSTOR Daily na sua caixa de correio todas as quintas-feiras.

    Política de privacidade Contacte-nos

    O utilizador pode cancelar a subscrição em qualquer altura, clicando na ligação fornecida em qualquer mensagem de marketing.

    Δ

    Kennedy saiu do desastre da Baía dos Porcos com uma desconfiança em relação às agências governamentais permanentes de política externa, cautela que se revelou fundamental para enfrentar a crise ainda mais grave que se avizinhava.

    Sandman argumenta que as mudanças podem muito bem ter salvado o mundo. Por altura da Crise dos Mísseis de Cuba, em outubro de 1962, que Sandman argumenta ter surgido diretamente do desastre da Baía dos Porcos, Kennedy construiu um processo de aconselhamento que funcionou. Não só mudou os seus conselheiros, como também alterou os procedimentos para tomar decisões sobre crises externas. O estabelecimento permanente da política externa eraUm processo de decisão colegial manteve as opções em aberto e evitou uma decisão rápida que poderia ter conduzido a uma guerra nuclear.

    Rolar para o topo